VETNIL INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS LTDA

Fórmula:

Cada mL contém: Acepromazina........2,0 mg
Veículo q.s.p........................................1,0mL


Indicações: Acepran 0,2% é indicado para cães e gatos como sedativo e tranquilizantes para facilitar procedimentos diagnósticos, contenção para exames e radiografias, tratamento de feridas e abscessos, sondagem uretral, procedimentos cirúrgicos menores e nos casos onde se deseja obter um efeito tranquilizante e de indiferença aos estímulos excitantes do meio. Acepran 0,2% é especialmente indicado para transportes de animais, pois promove tranquilização, sonolência e também atividade antiemética. Particularmente indicado como agente pré-anestésico, tanto por seu efeito tranquilizante, quanto pela potencialização de agentes anestésicos barbitúricos, não barbitúricos e dissociativos.


Dosagem:Para ser utilizado por via intravenosa, intramuscular ou subcutânea. A dose deve ser estabelecida individualmente, dependendo do grau de tranqüilização requerido. Cães e gatos: Administrar 0,05 a 0,2 mg/kg de peso corporal, ou seja,0,025 a 0,1 mL por kg de peso corporal, dependendo da profundidade e duração dasedação requerida.A administração por via intravenosa deve ser feita lentamente e um período de 10 minutos deve ser aguardado até o aparecimento dos efeitos da droga.


Para cães de grande porte (acima de 30 kg): recomendamos utilizar ointervalo menor de dose.

Caso seja necessária uma complementação da dose, esta deverá serrealizada sob supervisão do Médico Veterinário.

As dosagens poderão ser alteradas de acordo com a orientação do MédicoVeterinário.


Administração:Uso injetável.


Precauções:Tranquilizantes são potentes depressores do sistema nervoso central e podem causar uma acentuada sedação, com supressão do sistema nervoso simpático. Tranquilizantes podem induzir prolongada depressão ou impossibilidade de locomoção quando aplicados em dosagens excessivas ou em animais sensíveis. Tranquilizantes são aditivos na ação, para o emprego de outros depressivos e irão potencializar a anestesia geral. Devem ser administrados em pequenas doses e com grande atenção durante a anestesia geral e também em animais exibindo sintomas de stress, debilidade, doenças cardíacas, hipovolemia ou choque. A acepromazina, assim como outros fenotiazínicos, é detoxificada no fígado, portanto deve ser empregada com cautela em animais com disfunção hepática ou leucopenia. Hipotensão pode ocorrer após rápida injeção intravenosa, causando colapso cardio-vascular. Animais braquicefálicos (em especial cães da raça boxer) podem apresentar síncope ou choque após administração de fenotiazínicos, devido à elevação do tônus vagal e consequente severa bradicardia. Nestes casos, somente se aconselha o uso de fenotiazínicos nestas raças em baixas dosagens ou associados à atropina.Eventualmente, podem ocorrer reações idiossincráticas a acepromazina em alguns animais, caracterizadas por excitação paradoxal e desordens comportamentais adversas. Os reflexos protetores, tais como laríngeos, faríngeos e oculopalpebrais mantêm-se presentes durante o uso dos derivados fenotiazínicos.Sendo assim, nos casos em que pretende-se realizar anestesias inalatórias,recomenda-se utilizar drogas para facilitar a intubação endotraqueal. Contraindicações: Derivados da fenotiazina podem potencializar a toxicidade de organofosforados a atividade da procaína. Desta maneira, não utilize ACEPRAN 0,2% para controlar tremores associados a envenenamentos por fosforados. Não utilize associado ao cloridrato de procaína.

Apresentação:Frascos ampolas contendo 20 mL.

Classe Terapêutica:

ANESTÉSICOS, SEDATIVOS E SIMILARES
Princípio(s) Ativo(s):ACEPROMAZINA

Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

1.029 em 21/12/79

Responsável Técnico:

Fábio Cavenaghi Mattei - CRMV: CRMV: SP 12005

Serviço de Atendimento ao Consumidor:
0800109197

[BULA] ACEPRAN 0,2%

MERCK SHARP & DOHME SAÚDE ANIMAL LTDA


 Caninos

Fórmula:
Cada 100 g contém:
Gentamicina (Sulfato micronizado)..................... 300,00 mg
Valerato de Betametasona ..................................122,00 mg
Clotrimazol Micronizado....................................1.000,00 mg
Excipiente q.s.p. .....................................................100,0 mg

Indicações:

OTOMAX® é indicada para o tratamento de otites externa aguda e crônica de cães, resultante de infecções por fungos e bactérias sensíveis ao clotrimazol e a gentamicina. 


ESPECTRO DE AÇÃO:
Clotrimazol:
Fungos: Trichophyton mentagrophytes, Trichophyton rubrum, Epidermophyton floccosum, Microsporum canis, Candida spp e Mallassezia pachydermatis (Pityrosporum canis).
Bactérias: Staphylococcus aureus, Staphylococcus intermedius, Streptococcus pyogenes e Proteus vulgaris.

Gentamicina:
Bactérias: Staphylococcus intermedius, Staphylococcus spp, Streptococcus spp, Pseudomonas aeruginosa, Proteus spp e Escherichia coli.

Dosagem:
Antes de iniciar o tratamento, recomenda-se tomar as seguintes medidas:
-Limpar e secar cuidadosamente o ouvido externo.
-Remover detritos, corpos estranhos e crostas de exsudatos com solução apropriada não-irritante.
-Retirar o excesso de pêlos da superfície a ser tratada.

DOSAGEM:

Massa Corporal Dose Freqüência/Duração do tratamento
Menos de 15 kg instilar 4 gotas 2 vezes ao dia durante
15 kg ou mais instilar 8 gotas 7 dias consecutivos

Obs.: Após a aplicação, massagear cuidadosamente o ouvido externo para garantir uma perfeita distribuição do medicamento.

Administração:
Antes de iniciar o tratamento, recomenda-se tomar as seguintes medidas:
-Limpar e secar cuidadosamente o ouvido externo.
-Remover detritos, corpos estranhos e crostas de exsudatos com solução apropriada não-irritante.
-Retirar o excesso de pêlos da superfície a ser tratada.
-Não há contra-indicação para uso em fêmeas prenhes.

Precauções:
Caso haja desenvolvimento de bactérias e/ou fungos não sensíveis aos componentes de produto ou na ocorrência de reação de hipersensibilidade o tratamento deve ser interrompido e instituída terapia apropriada.
Continuar o tratamento por período não inferior a 48 horas após o desaparecimento dos sintomas.

Venda sob prescrição do Médico Veterinário.
Conservar em local frasco e seco, ao abrigo dos raios solares, fora do alcance de crianças.

Apresentação:
OTOMAX® é apresentado em tubos de 7,5 e 15 g, acompanhado de cânula aplicadora.

Classe Terapêutica:
VACINAS, CORANTES E DILUENTES (BIOLÓGICOS)

Princípio(s) Ativo(s):

GENTAMICINA
BETAMETASONA


Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento:
5179 de 20/07/1995

Responsável Técnico:
Leonardo B.R.Costa - CRMV: SP 15.790

Serviço de Atendimento ao Consumidor:
0800 70 70 512

[bula] OTOMAX®

VETNIL INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS LTDA


Fórmula:
Cada 100 mL contém: Acepromazina 1,0 g Veículo q.s.p.100,0mL


Indicações:

Acepran gotas é indicado para cães e gatos como sedativo etranquilizante para facilitar procedimentos diagnósticos, contenção para examese radiografias, tratamentos de feridas e abscessos, sondagem uretral e noscasos onde se deseja obter um efeito tranquilizante e de indiferença aosestímulos excitantes do meio. Acepran gotas é especialmente indicado paratransporte de animais, pois promove tranquilização, sonolência e tambématividade antiemética.


Dosagem:


Administrar por via oral puro ou adicionado a água.


Cães e gatos: 1 a 3 gotas por kg de peso corporal, dependendo daprofundidade e duração da sedação requerida. Os efeitos sedativos iniciam-se 30a 45 minutos após a administração.


Caso seja necessária uma complementação da dose, esta deverá ser realizadasob supervisão do médico veterinário. Cada 1ml contém 19 gotas.


As dosagens poderão ser alteradas de acordo com a orientação do médicoveterinário.


Administração: Uso oral.


Precauções:


Animais braquicefálicos (em especial cães da raça boxer) podemapresentar síncope ou choque após administração de fenotiazínicos, devido àelevação do tônus vagal e consequente severa bradicardia. Nestes casos, somentese aconselha o uso de fenotiazínicos nestas raças em baixas dosagens ouassociados à atropina.


Eventualmente, podem ocorrer reações idiossincráticas a acepromazina emalguns animais, caracterizada por excitação paradoxal e desordenscomportamentais adversas.

Interações Medicamentosas: Derivados da fenotiazina podem potencializar a toxicidade de organofosforados e a atividade da procaína. Desta maneira, não utilize “Acepran Gotas” para controlar tremores associados a envenenamentos por fosforados e estricnina. Não utilize em conjunto com vermífugos ou ectoparasiticidas organofosforados. Não utilize associado com cloridrato de procaína. Efeitos Colaterais: A acepromazina é muito segura, apresentando baixos índices de efeitoscolaterais, quando as instruções da bula são seguidas. A acepromazina induz aefeitos colaterais típicos dos compostos fenotiazínicos, os quais incluemtaquicardia reflexa, hipotensão, hipotermia e diminuição na frequênciarespiratória.


A redução do hematócrito causada pelas fenotiazinas se deve aosequestro esplênico de hemáceas.


Tranquilizantes podem induzir prolongada depressão ou impossibilidadede locomoção quando aplicados em dosagens excessivas ou em animais sensíveis.

Contraindicações: A acepromazina deve ser usada com extrema cautela em animaisapresentando comprometimento hepático ou renal, doenças cardíacas, desordensrespiratórias, debilitação acentuada e sob severas condições de estresse (calorou frio excessivo, fadiga, etc).


Os derivados fenotiazínicos não são indicados em fêmeas gestantes e emanimais, cuja carne ou leite, sejam destinados ao consumo humano.

A acepromazina está contraindicada em casos de choques endotóxicos outraumáticos, devido ao risco de queda crítica na hipotensão. Não usar emanimais com histórico de epilepsia, pois a acepromazina estimula as viasmotoras extrapiramidais, diminuindo o limiar convulsivo.


A administração de adrenalina é contraindicada em animais medicados comfenotiazínicos, pois acarreta maior depressão da pressão arterial. Nestescasos, deve ser utilizada como droga de eleição a noradrenalina. Não associar aanestesias epidurais ou ao cloridrato de procaína.


Também, uma interação com os organofosforados deve ser evitada, porquea toxicidade dos fenotiazínicos é aumentada. Desta maneira, não utilizar oproduto para controlar intoxicações associadas a envenenamentos pororganofosforados e não utilize em conjunto com vermífugos ou ectoparasiticidas(cuidado com coleiras antipulgas) que contenham organofosforados.


Apresentação:Frasco conta-gotas contendo 10 mL e 30 mL.



Classe Terapêutica:
ANESTÉSICOS, SEDATIVOS E SIMILARES

Princípio(s) Ativo(s):ACEPROMAZINA

Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

6.284 em 12/02/98.

Responsável Técnico:

Fábio Cavenaghi Mattei - CRMV: CRMV: SP 12005




Serviço de Atendimento ao Consumidor:
0800109197

[BULA] ACEPRAN GOTAS

UNIAO QUIMICA FARMACEUTICA NACIONAL S A

Fórmula:

Cada comprimido contém:

Cloridrato de tramadol .........................................................................12,00 mg
Palatabilizante................................................................................................8,75mg
Excipiente.................................................... q.s.p ..................................................125,00 mg

Indicações:


Cronidor é um analgésico opióide indicado para o alívio da dor de grau moderado a intenso, de caráter agudo, subagudo ou crônico nos cães e gatos. O uso é recomendado especialmente nos períodos pré e pósoperatório, possibilitando a redução da dose dos agentes anestésicos empregados e melhorando a qualidade de recuperação do paciente.
Dosagem:

Para se obter um efeito adequado, a posologia deve ser individualizada, ajustando-a de acordo com a intensidade da dor. Recomenda-se, de modo geral, 1 a 2 mg/kg de peso vivo para cães ou gatos, conforme a tabela abaixo, a cada 6 ou 8 horas, durante 3 a 5 dias ou a critério do Médico Veterinário. É importante estabelecer um horário fixo para a administração periódica do produto. Em princípio, deve ser selecionada a menor dose analgésica eficaz. Quando comparado a outros analgésicos opióides, o uso prolongado do tramadol induz mínimo efeito de tolerância, havendo necessidade de aumento da dosagem nesses casos.
Administração:

Cães e Gatos.

Precauções:


O produto deve ser utilizado com cautela em pacientes com insuficiência respiratória, com histórico de convulsões e com pressão intracraniana aumentada. Em caso de insuficiência renal ou hepática, a duração da ação do tramadol poderá ser prolongada. O produto não é indicado em fêmeas prenhes devido à escassez de estudos de segurança com o tramadol nesta fase de vida das cadelas e gatas. Utilizar durante a prenhez somente com indicação e acompanhamento veterinário. A administração antes ou durante o trabalho de parto não afeta a contratilidade uterina. Deve-se considerar que pequena quantidade do fármaco e de seus metabólitos são encontrados no leite materno. Geralmente, não há a necessidade de se interromper a amamentação após administração única do produto. Em animais recém-nascidos, o tramadol pode induzir alterações na taxa respiratória, normalmente de importância clínica irrelevante.

Apresentação:


12 mg: Cartucho com 10 comprimidos palatáveis e bissulcados e Frascos-ampola de vidro âmbar contendo 20 mL do produto acondicionados
em cartucho.

Classe Terapêutica:
OUTROS

Princípio(s) Ativo(s):
OUTROS

Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento:
nº 9.194 em 04/01/2006.

Responsável Técnico:
Vânia N. A. de Carvalho - CRMV: CRF-SP no 32.871

Serviço de Atendimento ao Consumidor:
0800 7011799

[bula] CRONIDOR

BAYER S.A.

Fórmula:

Ácido 1-(n-butilamino)-1-metiletil-fosfônico ................... .... 10 g

Cianocobalamina (Vitamina B12) ................................ 5000 µg

Veículo q.s.p. ............................................................... 100 mL

100 mL da solução contém 1,73 g de fósforo.


Indicações:

Perturbações do metabolismo provocadas por alimentação deficiente, condições afisiológicas ou doenças. Perturbações do desenvolvimento e da alimentação dos animais novos por afecções próprias da criação. Metafilaxia da esterilidade e de afecções puerperais, coadjuvante ao tratamento da esterilidade. Tetania e paresia, como complemento da cálcio e magnesioterapia. Como tônico, nos casos de esforço excessivo e esgotamento, para aumentar a força muscular nos animais saudáveis.

Dosagem:

Nos casos de doenças agudas administra-se para

equinos e bovinos adultos ................................. 5,0 - 25,0 mL

potros, bezerros .................................................. 5,0 - 12,0 mL

ovinos, caprinos .................................................. 2,5 - 5,0 mL

cordeiros .............................................................. 1,5 - 2,5 mL

suínos ..................................................................2,5 - 10,0 mL

leitões ................................................................... 1,0 - 2,5 mL

cães, gatos e animais de pele ............................ 0,5 - 5,0 mL

aves domésticas .............................................................1,0 mL


Em caso de necessidade, repetir diariamente a injeção. Nos casos de doenças crônicas, administra-se várias vezes, em intervalos de 3 a 5 dias, metade das doses acima indicadas.



Administração:

Injetável. Catosal B12 pode ser administrado por via endovenosa, intramuscular ou subcutânea.




Precauções:

Conservar em local seco e fresco, ao abrigo da luz solar direta e fora do alcance de crianças e animais domésticos.




Apresentação:

Frascos contendo 10 mL e 100 mL.




Classe Terapêutica:

COMPLEXOS




Princípio(s) Ativo(s):

FÓSFORO

VITAMINA B12 (CIANOCOBALAMINA)




Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

1211/80




Responsável Técnico:

Cristina Caetano Medeiros Jorge - CRMV: (SP) 12022




Serviço de Atendimento ao Consumidor:

0800-701-55-46

[bula] CATOSAL B12

Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Parainfluenza, Parvovírus, Coronavírus e Leptospira canicola-grippotyphosaicterohaemorrhagiae-pomona.
ZOETIS INDÚSTRIA DE PRODUTOS VETERINÁRIOS LTDA

 Caninos

Fórmula:

A fração liofilizada correspondente a 1 dose de 1 mL e é constituída dos vírus vivos atenuados com títulos mínimos por dose na data do vencimento de 102,5 DICT50 para Cinomose, 102,9 DICT50 para Adenovírus tipo 2, 105,0 DICT50 para o vírus da Parainfluenza Canina , 107,0 DICT50 para Parvovírus e de 600 UN (Unidade Nefelométrica) para cada uma das leptospiras (Leptospira canicola, L. grippotyphosa, L. icterohaemorrhagiae e L. pomona).
O diluente é uma preparação líquida de 1 dose de 1 mL da vacina de Coronavírus canino (CCV) inativado contendo um adjuvante e é usado para reidratar o componente liofilizado.

Indicações:

É indicada para vacinação de cães sadios de 6 semanas de idade ou mais velhos, como auxiliar na prevenção da cinomose canina causada pelo vírus da Cinomose canina (CD), da hepatite infecciosa canina (ICH) causada pelo Adenovírus canino Tipo 1 (CAV-1) de doença respiratória causada pelo Adenovírus canino Tipo 2 (CAV-2), da parainfluenza canina causada pelo vírus da Parainfluenza (CPI), da enterite causada pelo Coronavírus canino (CCV) e Parvovírus canino (CPV) e das leptospiroses causadas pela Leptospira canicola, L. grippotyphosa, L. icterohaemorrhagiae e L. pomona.

As culturas totais de células de Leptospira sofreram extensivas diálises resultando em antígenos purificados com reduzidas quantidades de materiais estranhos.

O vírus da fração Parvovírus canino (CPV) possui alto título infectante (>107,0 DICT50/dose) e foi atenuado por baixa passagem em linhagem celular de cães (35 passagens a partir do isolado canino, com no máximo 2 passagens adicionais permitidas para a produção), possuindo propriedades imunogênicas capazes de superar os anticorpos maternais interferentes nos níveis indicados abaixo.

Alguns filhotes no campo podem ter níveis mais altos de anticorpos maternos do que aqueles avaliados em nosso estudo crítico de eficácia.

Além da alta massa e baixa passagem, um estudo conduzido pela empresa demonstrou que a fração de Parvovírus canino (CPV) conferiu proteção cruzada contra CPV tipo 2c em filhotes vacinados e desafiados 5 semanas após a segunda vacinação.
Todos os vírus são propagados em cultivos celulares de linhagens estabelecidas.

Dosagem:
Reidratar assepticamente a vacina liofilizada com a vacina líquida, agitar bem e administrar  a dose de 1 mL por animal.

Administração:
Administrar por via subcutânea ou intramuscular.

Esquema de Vacinação:
É recomendada a vacinação de animais sadios.

Vacinação primária: Cães sadios com 6 semanas de idade ou mais velhos devem receber 3 doses com intervalos de 3 semanas entre cada administração.

Revacinação: É recomendada revacinação anual com dose única.

Outros esquemas de vacinação podem ser adotados a critério do Médico Veterinário, com base no estilo de vida do animal e o risco de exposição à doença.

Precauções:

Conservar entre 2°C e 8°C. Exposição prolongada a temperaturas mais altas e/ou luz solar direta pode afetar adversamente a potência. Não congelar.

Esterilizar seringas e agulhas a serem usadas para aplicar a vacina. Não esterilizar com produtos químicos porque traços de desinfetante podem inativar a vacina.

Incinerar o frasco e todo o conteúdo não utilizado.

Contém gentamicina como conservante.

Deve ser evitada a vacinação de cadelas prenhes.

No caso de anafilaxia, administrar epinefrina ou equivalente.

Este produto mostrou ser eficaz em animais sadios.

Uma resposta imune protetora pode não ser obtida caso os animais estiverem incubando uma doença infecciosa, estiverem mal nutridos ou parasitados, estressados devido a transporte ou condições ambientais, imunocomprometidos ou se a vacina não for administrada de acordo com as indicações de bula.

A vacinação deverá ser precedida de um minucioso exame clínico realizado por um Médico Veterinário.

O uso concomitante, ou nos dias que antecedem a vacinação, de antimicrobianos ou antiinflamatórios poderá interferir no desenvolvimento e manutenção da resposta imune após a vacinação.

Manter o produto fora do alcance de crianças e de animais domésticos.

Venda sob prescrição e aplicação sob orientação do Médico Veterinário.

Apresentação:
Caixa com 25 doses sendo que cada dose é composta por 1 frasco da fração liofilizada (vírus vivo modificado de Cinomose, Adenovírus tipo 2, Parainfluenza, Parvovírus e bacterinas de Leptospira canicola-grippotyphosa-icterohaemorrhagiaepomona) e 1 frasco da vacina líquida de Coronavírus inativado utilizada como diluente.

Classe Terapêutica:
VACINAS, CORANTES E DILUENTES (BIOLÓGICOS)

Princípio(s) Ativo(s):
VAC. CORONAVIROSE
VAC. CINOMOSE
VAC. ADENOVIROSE
VAC. LEPTOSPIROSE CANINA
VAC. PARAINFLUENZA
VAC. HEPATITE INFECCIOSA
VAC. PARVOVIROSE

Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento:
9.316 em 14/06/2007

Responsável Técnico:
Renato Beneduzzi Ferreira - CRMV: SP Nº 1.695

Serviço de Atendimento ao Consumidor:
0800 011 1919

[bula] Vanguard Plus

Postagens mais antigas
Página inicial

BULÁRIO VETERINÁRIO ONLINE